Criar um tema do zero ou optar por uma framework? Já agora, o que é uma framework?

Hoje vamos começar a falar da implementação do site propriamente dita. A primeira opção que deverás fazer é entre o criar um tema a partir do zero (mesmo zero, criar o template como se fosse html simples e inserir apenas as rotinas php do wordpress dentro dele ou optar por uma framework. Na nossa opinião, a não ser em casos muito específicos e para quem sabe bem o que está a fazer, a opçõa deve ir para uma framework. Mas calha bem, falar nisso, o que raio é uma framework?

O que é uma framework para criação de templates wordpress?

Não é uma questão fácil de responder, mas como aqui gostamos da objectividade… vamos comparar isto a um carro. Criar um template “from the scratch”  é como pegar em quadro rodas e fazer tudo o resto. Criar a base, pôr-lhe bancos, volante, suspensão, motor e tudo o mais que seja preciso até o carro ficar ao teu gosto. Outra forma de o fazer é pegar numa framework, que continuando a analogia é mais ou menos pegar num carro que já tem chassis e tem um motor montado, já tem as rodas no sitio e apenas deixa a cor e sobretudo os pormenores estéticos completamente ao desejo de quem o quiser alterar.

A questão aqui é saber o que se vai fazer: se o único objectivo é fazer um carro/site que não difere em muito da normalidade, sem dúvida que a framework é a melhor opção mas se só queres ter quatro rodas e um volante é um desperdício de tempo estudares e comprares a framework, cria do zero, é o meu conselho. Por outro lado, se quiseres fazer algo que vai imensamente para além do que existe normalmente num site (um ferrari dos sites) então também te aconselho não só a não procurares a framework, mas também a não procurares sequer um CMS standard como o é o WordPress. No entanto o mesmo se aplica a uma situação demasiado básica…

Por essa razão parece-me óbvio que a framework é o mais indicado para 99% das pessoas que sabem que querem usar o WordPress como plataforma e editar a sua estrutura a seu belo prazer. Como veremos mais à frente, as possibilidades de edição são virtualmente ilimitadas, e isso será o que vamos descobrir neste e em futuros posts.

Porquê escolher o Genesis como Framework?

Já utilizei várias plataformas antes de experimentar e ficar fã do Genesis. Entre essas experiência existiram até algumas grátis e até satisfatórias como são o Thematic em especial, mas passar para a experiência e suporte do Genesis é entrar num novo mundo de profissionalismo. Vale a pena então perceber várias das vantagens desta framework:

  1. Base sólida fruto de vários anos de desenvolvimento
  2. Suporte profissional visto tratar-se de uma plataforma paga
  3. 5 organizações de layout diferentes (contéudo á esquerda, meio ou centro, full width e com duas barras laterais.
  4. Plugins já desenvolvidos como o slider (usado no rumonet em cada homepage) ou outros que simplificam o desenvolvimento
  5. Todos os hooks (mais à frente veremos o que é) já estão desenvolvidos mas são completamente customizáveis
  6. Vários templates já prontos que podem ser comprados na loja do Genesis.
  7. CSS todo organizado em dois ficheiros. Um que é o por defeito e outro pronto a ter apenas as alterações que desejamos. Isto facilita muito no futuro.

E por hoje é tudo. Não percas já na próxima quinta-feira o capítulo de introdução aos hooks e filters que fazer sempre parte do wordpress mas que no caso das frameworks ganham particular importância.

Até já!

Este artigo faz parte da série Criar template com genesis wordpress framework – altere como se fosse html simples .

Sobre Gonçalo Cabral

Autor de vários artigos sobre tecnologia e um fanático pela Briosa. Trabalha na internet desde 2005 com vários websites profissionais já concebidos. Dedica-se ao estudo de questões de usabilidade e interessa-se constantemente pelas evoluções na web.

Comentários

  1. Olá Gonçalo,

    Gostaria de saber se ainda trabalha com o Genesis Framework? Ou neste atual momento opera com outra ferramenta?

Trackbacks

  1. […] Criar um tema do zero ou optar por uma framework? Já agora, o que é uma framework. (3 Out) […]

Deixe seu comentário

*